Disbiose Intestinal

0 Flares 0 Flares ×

A alimentação está diretamente relacionada com a qualidade de vida das pessoas. Definimos disbiose como um desequilíbrio na flora intestinal, onde a quantidade de bactérias patogênicas é maior que a quantidade de bactérias benéficas ao organismo, afetando a parede íntegra do intestino, levando a perda da barreira que protege contra microorganismos prejudiciais.

Sabe-se que uma alimentação prebiótica, ou seja, rica em fibras e probiótica, ou seja, a base de lácteos e fermentados favorece o crescimento de bactérias intestinais benéficas. Ao contrário de alimentação rica em proteínas que pode aumentar a produção de substâncias nocivas como amônia e aminas por parte das bactérias intestinais. Estas por sua vez modificam a morfologia e metabolismo de células intestinais, reduzindo sua vida útil e favorecendo o crescimento de células cancerosas intestinais.

Dessa forma, reduzir o consumo de leite e derivados, de carnes vermelhas e alimentos ricos em proteína e de difícil digestão, durante a fase de disbiose, se torna essencial, pois as proteínas podem ser absorvidas sem serem digeridas devido ao aumento da permeabilidade intestinal, podendo ocasionar os sintomas de alergia, implicando em certos tipos de enxaquecas por exemplo.

Leites fermentados (probióticos) e iogurtes, que auxiliam na recomposição da flora intestinal, são encontrados em larga escala nos mercados, porém em alguns casos é necessária a orientação de um profissional nutricionista para o uso de lactobacilos em cápsulas.

Além disso, reduzir o consumo de carboidratos refinados encontrados em qualquer alimento feito com farinha branca como os pães, biscoitos, macarrão, ou os que contenham açúcares, pois os macronutrientes direcionam as bactérias ao intestino grosso proporcionando uma maior fermentação.

Diminuir ou restringir o consumo de alimentos ricos em colesterol, gorduras trans e saturadas como pele de frango, miúdos, carnes gordurosas, embutidos e industrializados, pois provocam um desequilíbrio na flora intestinal agravando o processo de disbiose.

Manter uma alimentação rica em fibras como cereais integrais, aveia, quinoa, legumes, folhosos, consumir vegetais ricos em FOS (frutooligossacarídeos) como alho, cebola, chicória, alho poro, castanhas e frutas, promove-se o desenvolvimento das bactérias benéficas ao organismo, auxiliando no trânsito intestinal aumentando a maciez e volume das fezes. Além disso, aumentar o consumo de água e manter a prática regular de atividade física é primordial.

 

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email 0 0 Flares ×

Postagens Relacionadas